terça-feira, 16 de agosto de 2011

Sobre as Ironias das Amizades


Há anos que digo, o amigo de hoje pode ser o inimigo de amanhã. De uns tempos pra cá, tenho dito que sou  infeliz no jogo, no amor e com amizades(rs).

Bem, vou relatar algumas ironias das amizades.

Dois Primos

Quando criança, eu tinha o costume de acompanhar meus pais, quando iam visitar alguém. Um dos lugares que frequentávamos muito era a casa de uma tia, casada com o irmão mais velho do meu pai. Eles tinham três filhos: a M., uns quatro anos mais nova do que eu, O J., 6 anos mais jovem do que eu e P. um ano mais novo do que o J..
Uma tia paterna morava com eles. Na casa dos fundos, morava minha reclusa avó paterna, junto com uma de suas filhas. Eu , às vezes, passava alguns dias na casa da minha avó. Brincava de joguinhos, tipo quebra-cabeça,com a M. e jogava bola, brincava de brincadeiras de menino com meus outros dois primos.

Ao chegar na adolescência, parei de acompanhar meus pais, sendo raro ir na casa da minha tia.

Fui empregado do meu tio paterno, que foi meu melhor patrão, por três vezes. Na segunda vez, quando eu estava com 21,22 anos, ele tinha o costume de colocar seus dois filhos, J. e P., se não me engano quando estavam de férias escolares, para trabalhar com a gente no final de semana. Foi aí que meu contato com meus primos se estreitou. Fiquei admirado com o J., seis anos mais novo do que eu, mas muito evoluído para a sua idade, um bom papo, que tinha uma coisa que adorei: era revoltado com a vida, assim como eu(rs).
O considerei meu melhor amigo. Porém, J. começou com as pisadas na bola. Ele era de lua, seu senso de humor era inconstante demais, e sabia humilhar e ofender uma pessoa, como poucos. Naquela época, eu reclamava demais da vida, estava perdido, constantemente insatisfeito, tentando entender o motivo de tanto sofrimento, inconformado com tudo. O J. dizia que era melhor que eu gravasse tudo, num gravador, pois assim ficaria mais fácil, eu não precisaria ficar repetindo sempre as mesmas lamúrias(rs).

J. foi a única pessoa que me chamou de covarde. Segundo ele, eu não parava nos empregos e nem nas escolas, porque tinha medo de enfrentar, preferindo fugir.  J. também foi a única pessoa que disse pra mim: "ponha-se no seu lugar!". Disse isso, depois de eu estar o zoando, ele ficou com raiva-isso foi na firma de seu pai. Quis me humilhar por eu ser subalterno a seu pai e talvez pelo fato de não ser letrado como ele.

Evidente, que quando ele procedia da forma, que acabei de narrar, eu dava o troco. Chegamos a parar de conversar um com o outro. Depois , ele puxou conversa... Eu ainda tinha mágoa, e aí tinha mais amizadade também pelo seu irmão, o P.. Ambos eram meus amigos/confidentes.

Um dia, eu, os dois primos e meu tio fomos até sua fazenda, no interior de Minas Gerais. Eu e P. voltamos a nos desentender. Ele ficou a me atacar constantemente, dei-lhe o troco, tentando me controlar para não sair para agressão física, afinal eu estava na casa deles, e respeitava, gostava  muito do  meu tio(ele já não era mais meu patrão). E nossa amizade se acabou. Ainda frequentava a casa dos meus tios, e a amizade com P. se estreitou. J., na sua casa, me cumprimentava, e era só...

De uns anos pra cá, quando eu ia  visitar minha tia, J. costumava conversar comigo. Mas nunca me senti bem à vontade mais com ele. Não o perdoo, e ele nem é de pedir perdão. Minha frequência em sua casa, diminuiu bastante, a última vez que visitei minhas tias, foi no final do ano passado. Notei que J. evitou ir na copa, onde eu conversava com minhas tias, só foi depois do chamado de sua mãe. Acredito que o ex-companheiro da minha mãe deve ter lhe falado da mágoa que nutro por ele. Não pretendo mais visitar minhas tias.

As três pessoas que mais me decepcionaram na vida: E.- uma mulher a qual me apaixonei no segundo semestre de 1981- a minha avó materna e o primo J..

continua...

11 comentários:

  1. A verdade é que nascemos sozinhos e devemos nos considerar assim.
    Amizade verdadeira não existe assim como os demais sentimentos inventados para nos escravizar.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. "A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo,no absoluto de si mesmo,e que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor,de amizade,de socorro.
    O maior solitário é o que tem medo de amar,o que tem medo de ferir e de ferir-se,o ser casto da mulher,do amigo..." Vinicius de Moraes

    (lembrando as decepções)
    um abraço,Roderick

    ResponderExcluir
  3. Nossa, sua estória com amigos é realmente mais problemática do que a minha. Mas ainda insisto, sei que também não sou das melhores, e as vezes perco a paciência até com as pessoas mais queridas. No entanto, hipocrisia jamais toleraria.

    ResponderExcluir
  4. Katia,

    Vc também anda bem revoltada, hein?rs

    Paredes,

    Vc pode até achar q sou um covarde, como meu primo achou(rs), mas malogrei tanto, q tenho medo de amar e de amizades. Pode até ser ignoran cia, loucura minha, mas digo q todo cuidado é pouco!rs. Mas, não rejeito amizades, são bem-vindas, no entanto, vou ser cada vez mais cauteloso, não tendo expectativas, nem preferências.

    Quanto ao amor, amo uma determinada mulher. Não estamos bem, infelizmente. Não sei como vai ser o desfecho, mas se tudo acabar, love no more. Ficarei encerrado em mim mesmo...

    Keila,

    Eu, de santo, nada tenho, tenho má fama(rs), de genioso. Mas, não humilho as pessoas e sou aberto ao diálogo e às críticas, desde que construtivas. Tenho ciência que já decepcionei a um tanto de pessoas. E continuo bradando que sou autêntico. Também não tolero hipocrisia.

    Katia, Paredes e Keila, muito obrigado por suas atenções, seus interessantes comentários.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Percebo que você foi bastante envolvido com sua família, em alguns momentos até trabalhou junto, e sendo assim, é quase certo que as desavenças iriam acontecer, por envolverem-se.
    Eu que nem me envolvia assim, já tinha atritos, acho faz parte.

    Bj

    ResponderExcluir
  6. Não sei nem o que dizer... o que me ocorre no momento é ESQUISITO, MUITO ESQUISITO isso tudo!

    ResponderExcluir
  7. De fato, faz parte, Cris, mas haja paciência!

    Esquisito, Ana? Deve ser, vc mesmo me acha esquisito. rs

    ResponderExcluir
  8. Amigos e família são fontes inesgotaveis de problemas!!! Isso é praticamente normal rsrs... Ah, mas o senhr acabou seguindo o conselho do primo, o blog é quase um gravador onde podemos colocar nossas neuras, magoas e derivativos.

    Ah, tb eu já passei por muitas e excelentes com amizades Sr Verden, faz parte!

    ResponderExcluir
  9. rs. Muito engraçado vc ter citado o gravador.rs

    Adoro seus comentários, Pandora!

    ResponderExcluir
  10. Olá, Roderick!

    Procurei justaamente uma postagem mais antiga para te dizer sobre o motivo pelo qual estou saindo da Web. Não encontrei outra forma de te avisar, mas dê uma olhada neste blog aqui http://dborboleta.blogspot.com/ Lendo a postagem compreenderás porque estou saindo definitivamente.

    Certamente a dona do blog que citei se sentirá honrada com sua presença por lá.

    Quanto a mim, agradeço de coração todo seu apoio. E só para constar; já leu Aristóteles e sobre Amizade?

    Bom te ler, Roderick!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oi Iza, me desculpe, fui no blog da Dona Borboleta, mas não consegui entender o motivo pelo qual vc está saindo da Web.

    Já li Aristóteles, mas foi há muito tempo, e não me recordo de mais nada. Creio que não devo ter lido sobre Amizade.

    Muito obrigado pela sua presença.
    Apareça sempre!

    Um ótimo domingo pra vc!

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão respondidos.

Marcadores