segunda-feira, 21 de maio de 2012

Maiakoviski


Quando eu lia sobre a Revolução Russa, sempre via menções a Maiakoviski, um poeta engajado na mesma. Não se pode confiar muito no que se lê, ainda mais quando se trata do comunismo, mas sempre li que o grande poeta, era um entusiasta com a revolução, mas que, no final, depois de ver tanta burocracia e sangue, se desencantou.

Há poucos minutos, li algumas de suas biografias, diferentes umas das outras. Numa delas, até diz que seu suicídio foi forjado pelo estado soviético. Noutras, dizem que de tanto os críticos o detonarem e por ter tido uma decepção amorosa, o mesmo se matou. Ele morreu aos 36 anos.

Ao ler algumas de suas frases, mais ainda admirei esse homem/poeta. O texto que ele criou a respeito dos críticos, me deixou extasiado e, claro, com inveja, pois eu detesto essa raça.

Outra coisa interessante: sempre li que Maiakoviski dizia:" nunca vou me matar", e acabou se matando... Pensei que o poema foi feito  por motivo existencial, político, mas , pelo que acabei de ler, quando o mesmo disse que nunca se mataria, foi um poema endereçado a uma mulher.

Fiquem com o grande Maiakoviski:

Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceito, desconfio que há falta de amor.


Não é difícil morrer nesta vida: / Viver é muito mais difícil.

A arte não é um espelho para refletir o mundo, mas um martelo para forjá-lo.

Se a criança é um porquinho, quando adulto não poderá ser outra coisa senão um porco.

Hino ao crítico

Da paixão de um cocheiro e de uma lavadeira
Tagarela, nasceu um rebento raquítico.
Filho não é bagulho, não se atira na lixeira.
A mãe chorou e o batizou: crítico.

O pai, recordando sua progenitura,
Vivia a contestar os maternais direitos.
Com tais boas maneiras e tal compostura
Defendia o menino do pendor à sarjeta.

Assim como o vigia cantava a cozinheira,
A mãe cantava, a lavar calça e calção.
Dela o garoto herdou o cheiro de sujeira
E a arte de penetrar fácil e sem sabão.

Quando cresceu, do tamanho de um bastão,
Sardas na cara como um prato de cogumelos,
Lançaram-no, com um leve golpe de joelho,
À rua, para tornar-se um cidadão.

Será preciso muito para ele sair da fralda?
Um pedaço de pano, calças e um embornal.
Com o nariz grácil como um vintém por lauda
Ele cheirou o céu afável do jornal.

E em certa propriedade um certo magnata
Ouviu uma batida suavíssima na aldrava,
E logo o crítico, da teta das palavras
Ordenhou as calças, o pão e uma gravata.

Já vestido e calçado, é fácil fazer pouco
Dos jogos rebuscados dos jovens que pesquisam,
E pensar: quanto a estes, ao menos, é preciso
Mordiscar-lhes de leve os tornozelos loucos.

Mas se se infiltra na rede jornalística
Algo sobre a grandeza de Puchkin ou Dante,
Parece que apodrece ante a nossa vista
Um enorme lacaio, balofo e bajulante.

Quando, por fim, no jubileu do centenário,
Acordares em meio ao fumo funerário,
Verás brilhar na cigarreira-souvenir o
Seu nome em caixa alta, mais alvo do que um lírio.

Escritores, há muitos. Juntem um milhar.
E ergamos em Nice um asilo para os críticos.
Vocês pensam que é mole viver a enxaguar
A nossa roupa branca nos artigos?



COMUMENTE É ASSIM

Cada um ao nascer
traz sua dose de amor,
mas os empregos,
o dinheiro,
tudo isso,
nos resseca o solo do coração.
Sobre o coração levamos o corpo,
sobre o corpo a camisa,
mas isto é pouco.
Alguém
imbecilmente
inventou os punhos
e sobre os peitos
fez correr o amido de engomar. Quando velhos se arrependem.
A mulher se pinta.
O homem faz ginástica
pelo sistema Muller.
Mas é tarde.
A pele enche-se de rugas.
O amor floresce,
floresce,
e depois desfolha.

...nenhum som me importa
afora o som do teu nome que eu adoro.
E não me lançarei no abismo,
e não beberei veneno,
e não poderei apertar na têmpora o gatilho.
Afora
o teu olhar
nenhuma lâmina me atrai com seu brilho

Você não pode deixar ninguém invadir o seu jardim para não correr o risco de ter a casa arrombada.





8 comentários:

  1. Senhor Verden ele pode ter sido convidado a se suicidar, isso acontece, desconfio que é mais comum do que parece.

    O senhor também tem um baú vasto do qual saem pérolas de história, curtir a postagem.

    Cheros Tio!

    ResponderExcluir
  2. Sobrinha,

    Vi um filme sobre Stalin, muito tendencioso, por sinal, no qual um dos seus colaboradores é obrigado a se matar, devido as chantagens do líder soviético. Tudo é possível, mas no tocante a Maiakoviski, creio , pelo que sempre li, que o mesmo se matou por livre e espontânea vontade.

    Fico contente de vc ter gostado do post, mais contente ainda com a sua presença, que sempre me alegra tanto.

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  3. Bom que vc gostou, Fabiana.

    Até mais.

    ResponderExcluir
  4. Roderick, lentamente estou de volta. Já vi uma ópera que o enredo seria de uma lavadeira e um cocheiro. Coisas assim. Mais ou menos isto.
    Outra coisa, quando uma pessoa se suicida , mesmo por pressão, é por livre vontade. Muitos não aguentam a vergonha, outros não tem como responder de outra forma para as pressões recebidas. É difícil.
    Se não fosse de livre vontade não seria suicido, seria assassinato.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi Janice, fico contente por você estar melhorando, mas ficarei mais contente ainda, quando vc ficar 100%.

    Não concordo muito contigo sobre suicídio por pressão. Em casos assim, pode não haver outra escolha; em certos casos a vítima não tem como lutar contra o agressor, que dá a ele duas opções: se matar, ou ter sua família morta; a vítima também pode ser ameaçada de torturas terríveis, então...

    Saúde e paz!

    ResponderExcluir
  6. concordo que não é difícil morrer e que viver é que é muito mais dificil.

    Morrer é fácil, em poucos segundos, alguem pode acabar com sua vida. O problema esta em viver mesmo.

    ResponderExcluir
  7. E como é difícil viver, Denise!

    No entanto, muitas mortes são dolorosas.

    Obrigado, Denise.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão respondidos.

Marcadores