sábado, 7 de janeiro de 2012

Dois Joões Roqueiros


Recentemente, descobri algo, na internet, sobre dois roqueiros que gosto muito, dois joões, John Lodge e John Tout, respectivamente, baixista do Moody Blues e tecladista do Renaissance. Foi inusitado o que descobri.

John Tout

John Tout foi tecladista do grupo de rock progressivo, Renaissance, no período de 1972 a 1979.
A atração principal do grupo era a vocalista soprano Annie Haslam, que encantava a todos com seu belíssimo e angelical vocal.. Contudo, o piano de John Tout foi outro grande destaque do Renaissance. John era um especialista, um virtuose no piano, de formação clássica. É o pianista que mais gosto no rock.

Na semana passada, resolvi procurar, no google, sua discografia, na expectativa de baixar discos solo do mesmo. Não encontrei nada, a não ser uma entrevista datada de 1998.  John revela que começou a tocar piano aos 4 anos de idade. Com 8 anos, lecionou piano, em aulas dadas por uma professora vitoriana. Estudou piano durante 8 anos. Sua professora jamais lhe falou sobre seu progresso como pianista, e ele próprio disse que não tinha teoria.

O notável pianista revela também que nada fez depois que saiu do Renaissance. Fiquei chocado ao ele dizer que ficou dez anos sem tocar, devido a morte da sua irmã, que era pianista como ele, e os dois tocaram juntos por três anos. Depois de sua morte, ele se entregou, não tinha nem vontade de sair da cama, até que um amigo o aconselhou a procurar um terapeuta. Com a terapia, ele voltou a viver. Seus planos eram voltar a compor e se tornar um professor de piano. Disse ter uma vizinha, que está aprendendo a tocar piano, que volta e meia o procura. Ele se diz uma pessoa que gosta de ajudar os outros, um ser paciente, que gosta de divertir outrem.

John Lodge

No post "Moody Blues", relato o estilo de compor do baixista John Lodge, que costumava a apresentar duas canções em cada álbum do Moody Blues, uma mais agitada e a outra uma balada.
Com o passar do tempo, John passou a dar mais ênfase nas baladas românticas, o que fez com que eu o chamasse de o homem mais romântico do mundo. Interessante, é que seu apelido é "Rocker"(Roqueiro).

Descobri, no google, que o roqueiro se casou aos 25 anos, em 1968, e está casado com a mesma mulher até hoje. Isso é impressionante, ainda mais em se tratando de celebridades.  O Moody Blues não é muito conhecido no Brasil, mas tem muita fama e prestígio na Inglaterra e nos Estados Unidos. John Lodge tem pinta de galã, e, certamente, deve ser muito assediado pelas mulheres... Ele tem um casal de filhos. Sua filha mais velha é atriz, Emily Lodge. John compôs uma música em sua homenagem, "Emily's Song", postada no post, "Moody Blues", uma belíssima e terna canção de ninar. John é cristão convicto.

Conclusão

O que me deixa admirado a respeito desses Joões, é : John Lodge se mostra uma pessoa estável, provavelmente equilibrada, a levar uma vida regrada, um romântico, um homem de família.
John Tout tinha um apego enorme por sua amada irmã.  Possivelmente, John Lodge também deve ser apegado à sua esposa e filhos. Eu não costumo me apegar nas pessoas. Não fui apegado nem na minha mãe, nós nos amávamos, mas cada um no seu jeito. Quando viva, eu , com medo, pensava na possibilidade dela morrer antes de mim, mas achava mais provável eu partir primeiro, até mesmo pelo meu niilismo, meu pouco interesse pela vida. Eu pensava que jamais me recuperaria, se ela morresse, que entraria em depressão. Nada disso ocorreu. Os dois primeiros dias, depois de sua morte, foram terríveis, a primeira semana foi dolorida... Depois, me recuperei, superei.  Sinto falta dela, mas não tanto como pensei que sentiria.  Creio que isso também seja pelo fato que nunca fomos muito ligados um no outro. Na minha adolescência, tivemos muitos conflitos. Minha mãe não me entendia e vivia a me criticar. Nossos gostos eram bem diferentes, nossos pontos de vista idem. Até mesmo quando eu dizia que determinada atriz era bonita, ela balançava a cabeça negativamente e dizia: "que gosto...". E eu, mesmo usando o termo, "bons tempos", não sou de sentir saudade. Me parece que tudo na minha vida foi falso, tudo muito fugaz. Entretanto, de uns três anos pra cá, me apeguei numa pessoa, e sinto saudades do nosso primeiro ano de contato, quando os conflitos não eram muito frequentes, e sua companhia era um bálsamo pra mim. E , ontem, fui estúpido com ela. Minha estupidez, me revolta , me envergonha. Pedi perdão,  mais um perdão, será que adiantará? Ela me perdoará?
Só mesmo uma anta pode ser estúpido com a pessoa que ama, eu sou uma anta!!!


22 comentários:

  1. Eu custo a me apegar a alguém, mas depois que me apego é difícil cortar laços com a pessoa.

    Acho que com minha família não foram criados laços fortes, de qualquer maneira a minha mãe é a pessoa mais próxima de mim, mesmo que a sinta tão distante.


    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Em certos pontos, sou frio. Essa apatia...

    Bom final de semana, Dma!

    ResponderExcluir
  3. Eu não gostaria de ver nenhum dos meus irmãos morrer, apesar dos desentendimentos constantes, nós nos curtimos e nunca alimentamos raiva por muito tempo...

    ResponderExcluir
  4. Ah Senhor Verden, geralmente quem ama tem momentos de de raiva em relação ao ser amado e quanto mais próximos estamos mais fácil é ferir cabe a quem ama saber equilibrar pensar mais no outro que em si e tentar não ferir demais...

    Cheros, Tio!!!

    ResponderExcluir
  5. Vc tem quantos irmãos?

    Sobrinha, sobrinha, desta vez fui longe demais! Fui muito estúpido, peguei muito pesado. Ela está muito magoada, creio que nunca me perdoará. Sou vítima da minha própria ira, da minha incontrolável impulsividade...

    Obrigado pelas suas palavras de conforto.

    Tudo de bom!
    Cheros!

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho dois irmãos senhor Verden, um menino e uma menina, tenho alguns primos muito próximos também... Sou uma metida, as vezes brigamos, mas nos amamos, eu acho!!!

    Ah, seu comentário me lembrou uma frase de um mangá que gosto:

    “Quando a gente exagera... perde de vista o caminho de volta.” (Hiroaki Samura em Blade – A Lâmina do Imortal, nº 23)

    Nunca é bom exagerar!!!

    ResponderExcluir
  7. Pelo modo como vc falou de seus irmãos, creio que és a mais velha, não? Metida?! rs. Não parece, vc é muito simpática e divertida.

    Sábia frase! Veja bem, quando eu dei uma bronca num comentarista do seu blog, Pandora, eu penso que não exagerei, apenas me defendi(costumo ser bravo mesmo!rs), mas com ela, eu me excedi e muito! Perdi a compostura. Lamentável!

    Obrigado, sobrinha!

    ResponderExcluir
  8. Sou sim a mais velha, tanto entre meus irmão quanto entre meus primos, sou a primeira da ninhada filha de uma irmã mais velha! #Responsavel

    Senhor Verden, assim, eu prefiro não comentar a respeito daquele insidente no meu blog, na verdade eu não gosto de confusões virtuais, sempre procuro ser leve nos comentários...

    E quanto ao exagero, ao excesso... é como ensinou o Samura san em Blade, a gente perde de vista o caminho, mas nada impede que a gente o reencontre com paciência e determinação até nosso gênio pode ser domado... Eu amo a filosofia japonesa e o cristianismo por isso, pq me ensinam que não se controlar não é fácil, mas é possivel...

    Eu sempre vou torce pelo Senhor, para que o senhor encontre o caminho de volta em relação a um bom relacionamento com a LL

    ResponderExcluir
  9. Eu sou leve quando a pessoa é leve comigo, quando pega pesado, eu respondo à altura, ou até um pouco mais alto(rs).

    Muito pertinente sua mensagem, Pandora.

    Agradeço imensamente a sua torcida e a sua presença.

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  10. Meu amigo

    Tenho que sorrir! Primeiro, pelo seu feliz comentário no meu blog. Depois, por se chamar "anta". Quando se magoa as pessoas queridas, sente-se mal. O pedido de perdão até surte efeitos, mas as palavras deixam cicatrizes em corações sensíveis. Costumam brincar que devemos contar até 10 antes de dizer certas coisas. Tente!!! (rss). Não vai se arrepender.

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Sempre simpática, sempre bem-vinda, Marilene!
    Mas até mesmo devido a minha auto-crítica, todos puxam minha orelha. Nem sempre penso que estou errado, e tenho firmeza em minha convicção, mas cada qual achando que tem razão. Ainda sou mais eu, com todos meus erros, ainda a amo, creio que se formos medir a porcentagem de erros, eu ficaria com uns 40%, mas sou suspeito, afinal, sou eu. Ela ficaria com uns 60%, mas repito, quem não é suspeito para se julgar ou defender a si mesmo?

    Sou voto vencido mesmo... Fazer o quê?

    Tantos e tantos que a querem, eu teria que me armar, com muitos aliados, a bombardear com muita precisão, os que anseiam por seu coração.
    Depois, como um stalinista, me livraria daqueles que me ajudaram a matar os que a queriam. E sobraria só eu e a coisa mais linda do mundo.
    Mataria a todos, mas só com ela ficaria. Esse é meu jeito de amar. Um traidor, mas não com a mulher que amo. Stalin , pelo que sei, amava sua esposa. A comparação pode ser esquisita, mas...
    E eu amo essa mulher...

    ResponderExcluir
  12. Ainda bem que ele fez terapia, a vida dele deve ter perdido o sentido depois da morte da irmã. E o outro, casado com a mesma mulher há anos?É realmente impressionante!

    ResponderExcluir
  13. Não pude deixar de rir com seu comentário, a respeito do estável John Lodge.rs

    ResponderExcluir
  14. Roderick,

    Concordo contigo. Vc é uma anta! É triste mas é verdade.

    ResponderExcluir
  15. Grato pelo seu gentil comentário, Ana.

    ResponderExcluir
  16. Meu amigo,

    Muito interessante esta postagem assim como todo o blog, muito bom, mesmo........

    Já o coloquei na guia cultural do meu blog.....

    Abraços,


    Gustavo

    ResponderExcluir
  17. Muito obrigado, Gustavo! Espero que sempre passe por aqui. E o que vc me diz da Maddy Prior?rs

    Na citada entrevista, John Tout diz que os discos preferidos dele, do Renaissance, são "Novella", "Sheherazede", "A Song for All Seasons".

    Meus preferidos: "Prologue", "Ashes are Burning", "Sheherazede", "Turn of the Cards" e "Novella"

    Mais uma vez, lhe agradeço.
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Que bom. Como tenho aprendido com você.
    Com carinho até amanhã.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Obrigado, Janice. Muito obrigado mesmo! Gostei imensamente dos seus comentários. Espero sempre contar com sua agradável presença.

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Voltei um dia depois para reler o que vi ontem. Por que uma anta? Você acha que a anta é um animal estupido? Veja como erramos. Como falamos o inoportuno nas horas inoportunas.Sei que você nunca teve convivio diário com uma anta.rsrsrrr.
    Jonh Lodge, o que se casou em 1968, acho que as pessoas se casavam para terem uma vida em comum, compartilhar as gargalhadas e as dores. Hoje eu acho que cada um quer queira compartilhar as alegrias e fazer doação para o outro das contas que faz.
    Fui clara? É que às vezes complico muito.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. rs. Citei a anta, pq é costume de muitas pessoas fazerem tal referência com pessoas burras(outro animal-rs), ignorantes. Nada tenho contra a anta. Vc é uma ferrenha defensora dos animais, hein?rs

    Vc foi clara sim.

    Beijos

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão respondidos.

Marcadores