quarta-feira, 24 de agosto de 2011

"CADÊ A COUVE-FLOR?"

Já disse como meu pai era(vejam o post "Dia dos Pais...").
Minha mãe foi muito paciente por ter ficado casada com ele por 37 anos. Ele também não era carinhoso.

Vou contar um episódio que demonstra como meu pai criava caso à toa.

Nos anos 80, quando eu estava desempregado, minha mãe me mandava fazer compras no mercado central. Eu achava um saco, pois morávamos longe do centro, e com duas(ou mais) sacolas ficava complicado tomar ônibus, então, eu fazia uso de taxi(não gosto de andar de taxi).

A rotina era a seguinte: eu chegava com uma lista de legumes e entregava na banca de legumes, propriedade de um primo, e  ia comprar outras coisas, como frutas e laticínios.
Um dia, ao chegar em casa, meus pais , ao conferirem as compras, notaram a falta de uma couve-flor, que foi cobrada. Isso foi um grande motivo para o meu pai rodar a baiana, ficar bravo e começar a xingar.
Telefonou para a banca reclamando e chamou o funcionário, que atendeu o fone, de ladrão. Chamou o sócio do meu primo também de ladrão. O velho deu um show. Se não me falha a memória, minha mãe até chorou.
Num momento, ela citou meu nome, e meu pai disse, sobre mim: "Pra que que isso serve?". Eis minha resposta: À partir de agora só tenho mãe, não tenho mais pai. Ele ficou indignado, dizendo que isso não era modo de se tratar um pai...

E a campainha toca... era um dos funcionários da banca, que nos entregou a preciosa couve-flor.

Dá até vontade de rir, não?  Mas , na ocasião, eu , minha mãe, e , claro, o pessoal da banca de legumes, não achamos nada engraçado, inclusive fiquei muito sem graça com eles durante um tempo.
Mais uma proeza do meu pai...

19 comentários:

  1. Mais cedo estava pensando acerca da minha difícl relação com meu pai, ele não confia em ninguém, se acha superior a todos e também cria caso por tudo, bem no estilo do seu pai. Engraçado, igualmente, não gosto de táxi.

    ResponderExcluir
  2. Oi Keila.

    Coincidências... triste coincidências1

    Abraços, Keila!

    ResponderExcluir
  3. Conheço bem esse tipo de situação. Uma vez meu pai me acordou dando uma surra de cinto. E por algo que não tinha feito. Até hoje me lembro disso, do susto que levei.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Caraca! Com um pai desses... acredito que com o passar dos anos ele tenha ficado cada vez pior... como sua mãe conseguiu permanecer casada por 37 anos?!
    Vc volta e meia comenta algum episódio desagradável em relação a ele. Eu quero saber se ele já teve algum rompante de carinho com vc.

    ResponderExcluir
  5. A arte da indelicadeza...Tem quem domine.

    =\

    Um beijo.

    * Li em algum lugar que couve-flor foi um "acidente da natureza"...rs

    ResponderExcluir
  6. Faço uma idéia, já acordar apanhando... Que loucura! "Esses nossos pais..."

    Ana,
    Ele nunca foi carinhoso.

    Luna,

    Acidente da natureza?! rs. Sei q couve-flor não custa barato, o que não justificava a ira do meu pai. E olha q ele não era mão fechada...

    Dama, Ana e Luna, muito obrigado!

    ResponderExcluir
  7. Essas situações causam grande constrangimento. E acontecem com frequência, ainda hoje. Antes de manter um contato, buscar a resposta para algo que ocorreu, começam os gritos, as cobranças, as ofensas. E depois, tranquilamente, contuma chegar a resposta, que nada tinha a ver com todo o imaginário de quem explodiu inconsequentemente.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Sábias palavras, Marilene!

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  9. Meus avós paternos eram portugueses, daí veio o DUARTE. Morei muitos anos em SP e voltei às origens, porque meu pai faleceu e minha mãe já é idosa. (lenadute@hotmail.com) . De certa forma, todos somos parentes, ainda que por afinidade.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Também sou descendente de português.

    Grato pela consideração, Marilene!

    ResponderExcluir
  11. Meu pai não era uma pessoa fácil, era, na maioria das vezes ignorante, mas eu o respeitava e amava muito, pois apesar de tudo era muito justo.
    Sinto muito por vc só ter lembranças ruins do seu.

    ResponderExcluir
  12. Oxe sem graça é pouco!!! Senhor Verden, me diga uma coisa o senhor não tem ninguém com o nome Rafael não sua família?!?! Pq sinceramente poderiamos ser parentes... Pq o meu pai e a família dele é bem desse tipo de gente, me desculpe a palavra "ignorante"!

    Aqui em casa se briga por muito menos rsrs... É até engraçado, minha mãe não leva mais tão a sério e depois tudo vira piada, mas na hora da raiva mesmo!

    ResponderExcluir
  13. Katia,

    Vc citou a palavra "justo", vc acha justo um pai dizer o q ele disse pra mim, q eu não sirvo pra nada, chamar duas pessoas honestas de ladrões?

    Pandora,
    Não tenho ninguém na parentela com o nome de Rafael. Lamento estarmo empatados, no tocante a pais. Me desculpe, pelo q li no seu blog, sua mãe tem 45 anos, bem, então creio q seu pai pode ser da minha faixa etária(55 anos), ou até mais jovem. Ora, as pessoas dessa geração são mais flexíveis, não criam caso à toa e costumam ter auto-crítica. Lamento muito por vc, Pandora, muito mesmo!

    Katia e Pandora, muito obrigado!

    ResponderExcluir
  14. Pois é Senhor Verdem, meu pai nasceu em 1960 e minha mãe tem 45 mesmo, nasci quando ela tinha 20 anos... O senhor acredita que ela começou a namorar com painho com 12 anos?!?!? Já deve tá anestesiada com o jeito dele!

    Mas não lamente por mim, pq cada um tem seus problemas néh e a gente vai vivendo como dá...

    Cheros senhor Verden!

    ResponderExcluir
  15. Poxa, desde os 12 anos...

    É, Pandora,isso mesmo, cada um tem seus problemas...

    Tudo de bom!
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  16. Nossa, que triste história!
    Eu graças a Deus nao posso reclamar do meu pai e nem da minha mae. Sao pessoas maravilhosas!
    Lamento por ter passado por isso viu. bjos!

    ResponderExcluir
  17. Oi Camila, até q enfim vc apareceu!
    Que bom vc ser feliz com seus pais. Minha mãe era mais fácil de se lidar.

    Grato pela solidariedade.

    Apareça mais!
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Meu pai tb era assim. adorava gritar, Achava que era os gritos que ia nos educar.
    Depois que crescemos ele gritava bem menos.Porém foi um bom pai.
    Tinha bom papo, lia muito e via pouco a TV.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Meu pai não era nada disso.rs, e nem gritava achando q ia nos educar.

    Beijos e muito obrigado, Janice!

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão respondidos.

Marcadores